Paraná exige menor preço, obras e transparência, diz Ratinho Junior sobre o pedágio

O governador Ratinho Junior disse nesta terça-feira, 16, em Foz do Iguaçu, que a exigência ao novo plano de concessões do governo federal nas estradas paranaenses passa pelo menor preço das tarifas, obras que serão previstas em contrato e pela transparência na licitação. “A exigência do Paraná é preço mais baixo, obra e transparência”, frisou.

“Queremos que o pedágio abaixe, que tenha obras, porque ficou 25 anos e não fizeram as obras, o que era necessário para atender tanto a parte de transporte, caminhoneiros, agronegócio, turismo. Também foi feita uma licitação na época (1997) que acabou sem transparência, foi um conchavo que aconteceu devido a demonstração dos escândalos”, completou.

A primeira condição, segundo Ratinho Junior, é que a licitação dos novos contratos tem que ser feita na Bolsa de Valores. “Queremos que o mundo inteiro possa participar dessa concessão e que o preço da tarifa abaixe aos praticados atualmente pelas concessionárias. O preço do pedágio do Paraná é abusivo, tem que baixar e tem que ter obras porque não adianta também ser uma concessão de pedágio a um preço aonde não tem a duplicação”, destacou.

“Essa equação de preço mais baixo, baixando as tarifas e também com transparência é exigência que o governo do Estado fez ao Ministério da infraestrutura”, apontou o governador.

População – Ratinho Junior reiterou ainda, que vai ter as audiências públicas que serão realizadas pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) nos dias 24 e 25 de fevereiro e que “a população vai poder opinar e dizer o que é bom e também o que é ruim, o que deve ser colocado e o que não deve ser colocado”. “Cabe ao governo federal e ao Ministério da Infraestrutura analisarem essas tratativas e a vontade da população sobre essas concessões”, disse.

A modelagem do governo federal não está finalizada, segundo Ratinho Junior, que precisa ter paciência, esperar e não prejulgar a proposta que não foi apresentada de forma final. “Vamos ter a audiência pública onde toda a sociedade civil organizada vai poder colocar sua opinião”

O governador disse ainda que o modelo implantado em 1997 já foi usado politicamente com muita mentira. “Não podemos mais entrar em mentiras, vamos atender o agronegócio que dobra de tamanho a cada 10 anos e que a população possa não se sentir lesada como hoje. Eu tenho certeza da boa vontade do ministro Tarcísio (de Freitas), do presidente Jair Bolsonaro em atender o melhor modelo ao Paraná”. “Não podemos mais entrar em mentiras. Temos que discutir de forma técnica o que é bom pro Paraná nos próximos  10, 20, 30 anos”, completou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!