Estiagem no Paraná é mais severa dos últimos 50 anos

O produtor de todo o estado do Paraná vem enfrentando grandes problemas com a falta de chuva no estado e a estiagem já é considerada histórica pelo Departamento de Economia Rural (Deral). “O Paraná está passando por uma das estiagens mais severas dos últimos 50 anos” disse o diretor do meio ambiente da Sanepar, Júlio Gonchorosky em relatório oficial divulgado pelo Deral. 

Os dados divulgados pelo Deral confirmam as informações de que a falta de chuva é algo que vem atingindo o estado desde junho de 2019 e mesmo com volumes inferiores na safra 2019/20, foi possível garantir boa produção dos principais grãos da primeira safra como soja, do milho e do feijão. “Um dos fatores que justifica os bons resultados na produção foi que mesmo com volumes inferiores de chuva, elas vieram no momento certo, garantindo a fertilidade da planta, agrupado com outros fatores tecnológicos, dentre eles o plantio direto, que ajuda a manter maior umidade no solo”, destaca o relatório. 

Além das culturas citadas no relatório, a produção de café no Paraná também sentiu os impactos da falta de chuva na safra deste ano. A expectativa no momento é que seja registrada uma perda na produção de café no estado, mas que a qualidade do grão compense as perdas.

O relatório aponta ainda que foi em fevereiro que a estiagem começou a ganhar força em todas as regiões do Paraná, com exceção do litoral. As regiões que mais apresentaram redução neste mês foram Centro-Oeste (36%), Oeste (55%), Sudeste (39%) e a região Sul, com 35% a menos de chuva do que a média da série histórica. Ainda assim, segundo o Deral, o produtor conseguiu evoluir no plantio das culturas da segunda safra.  

“Em março dá pra dizer que a situação começa a ficar bem mais crítica. Nas seis regiões que mais produz grãos, a menor média foi na Região Oeste e Sul, com apenas 47 mm, e a maior, na Região Norte, com 60 mm”, afirma o Deral. Em abril, além da falta de chuvas, as altas temperaturas prejudicaram o desenvolvimento das culturas. A evaporação também foi fora do padrão normal, o que contribuiu ainda mais para a baixa umidade no solo e no ar.  

O produtor de todo o estado vem enfrentando problemas, mas de acordo com os dados coletados nas estações meteorológicos, a região mais afetada pela seca é o norte do Paraná, com uma média de apenas 7 milímetros de precipitação em maio, sendo que Nova Tebas, Cambará e Joaquim Távora – não registraram chuva. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!