Crea apresenta duas sugestões de ações para implantar em Goioerê

A prefeitura de Goioerê vem há algum tempo estudando a implantação de dois Estudos Básicos de Desenvolvimento Municipal – EBDMs – elaborados no programa “Agenda Parlamentar – O Paraná em Debate”, do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná  – Crea.

As propostas, soluções e diagnósticos precisos de Acessibilidade Urbana e de Agricultura Familiar Diversificada e Sustentável para a cidade foram apresentadas aos prefeituráveis em outubro de 2020, antes das eleições municipais.

Na época, ao conhecer a iniciativa, o prefeito eleito Betinho Lima (PSD) entendeu que os estudos seriam importantes para o desenvolvimento de Goioerê e, neste ano, manifestou interesse em incorporar as melhorias ao plano de governo municipal.

O Crea confirmou a vontade do gestor municipal em reunião on-line realizada este mês, que contou a presença do presidente do Conselho, engenheiro civil Ricardo Rocha e sua comitiva (diretores, conselheiros e inspetores), além de diversas autoridades locais e estaduais, como o secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Goioerê, engenheiro agrônomo Gilberto Shiguetaka Matushita e de membros da Universidade Estadual de Maringá (UEM) – que vão ajudar a implantar o estudo de agricultura familiar em Goioerê.

 

“Os EBDMs do Crea-PR são de grande importância municipal, principalmente aos moradores, porque seguem normas técnicas e padrões exigidos pelas legislações brasileiras, dando mais segurança aos projetos implementados. Assim, os estudos técnicos também garantem melhorias para as profissões e profissionais da área por meio da divulgação, implantação e do acompanhamento das propostas”, afirma o secretário Gilberto Matuschita.

Os EBDMs desenvolvidos por profissionais de entidades de classe parceiros do Crea-PR sugerem o que é estratégico e essencial para cada região do Estado. As propostas e soluções elaboradas no campo das Engenharias, Agronomia e Geociências (projeto que existe há mais de 10 anos) tornaram-se referência para o planejamento da administração pública por serem análises minuciosas e diagnósticos precisos de diversos setores municipais, considerados “gargalos” em muitas cidades paranaenses.

Na cidade, a parceria do Conselho na elaboração dos EBDMs de acessibilidade e agricultura familiar foi com profissionais da Associação dos Engenheiros Agrônomos da Região de Goioerê (AEARG) e do Sindicato dos Engenheiros do Paraná (Senge-PR).  O desenvolvimento do estudo básico sobre o apoio à agricultura familiar é da engenheira agrônoma Losani Perotti, do Senge. No ano passado, em entrevista ao Crea, ela reforçou que a maioria dos municípios possui estrutura voltada para a produção de commodities (soja e milho), mas não para a agricultura familiar, por isto a necessidade de diversificar as atividades em algumas regiões, como em Goioerê. Para tanto, um dos pontos fundamentais é a participação de profissionais de Agronomia prestando assistência técnica.

Uma alternativa proposta no EBDM da cidade é a produção de HFs – hortaliças e frutíferas, seja pelo seu valor agregado, utilização da mão de obra da família ou pelas possibilidades de mercado que existem nos municípios – em especial para atendimento ao Programa Nacional Alimentação Escolar (PNAE), para a merenda escolar. Soma-se a isso, a demanda por produtos orgânicos, inclusive para fornecimento no programa de alimentação escolar, bem como em supermercados e feiras.

“Embora o Paraná ocupe o primeiro lugar em propriedades certificadas para agricultura orgânica, o Noroeste conta com o menor número destas propriedades. Por isto é urgente que o município estruture políticas públicas de apoio a estes agricultores, para viabilizar suas atividades e, paralelamente, que eles possam oferecer produtos de qualidade para a comunidade”, explica.

Na reunião virtual com representantes do Conselho, Losani reforçou que o trabalho da prefeitura de Goioerê iniciado com a UEM vai ajudar muito neste apoio a agricultura familiar da cidade. E que alguns ajustes serão necessários nos estudos, como de sensibilidade da própria população local, principalmente em relação a implementação de ações de acessibilidade.

Em relação ao estudo municipal sobre Acessibilidade Urbana, a AEARG levantou em 2020 que a área é um grande problema no município, não só na dificuldade de locomoção de pessoas com necessidades especiais pelas ruas e calçadas, mas também pela questão de bem-estar que envolve até mesmo a arborização municipal. São vários locais sem calçamento e quando tem calçadas, estão mal conservadas, com buracos e desnivelamentos.

Outro ponto negativo são as rampas que – quando existem – são com declividade acentuada e prejudicam o acesso de pessoas com dificuldades motoras. Sobre as árvores de Goioerê, o EBDM também apontou que muitas espécies danificam as calçadas e que há falta de árvores em algumas regiões, o que interferem na qualidade de vida dos moradores.

O programa Agenda Parlamentar do Crea-PR é composto por 30 Cadernos Técnicos e mais de 200 Estudos Básicos de Desenvolvimento Municipal (EBDM), elaborados para auxiliar as prefeituras paranaenses. As publicações estão disponíveis gratuitamente para download aqui.

Sobre o Crea PR: – O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR), criado no ano de 1934, é uma autarquia responsável pela regulamentação e fiscalização dos profissionais da empresa das áreas da engenharia, agronomias e geociências. Além de regulamentar e fiscalizar, o Crea-PR também promove ações de orientação e valorização profissional por meio de termos de fomentos disponibilizados via Editais de Chamamento.

 

Carina Bernardino

Assessora de Imprensa

Regional Maringá – Crea/ PR

(44) 99900-0383

[email protected]  ­

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.