Crea apresenta duas sugestões de ações para implantar em Goioerê

A prefeitura de Goioerê vem há algum tempo estudando a implantação de dois Estudos Básicos de Desenvolvimento Municipal – EBDMs – elaborados no programa “Agenda Parlamentar – O Paraná em Debate”, do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná  – Crea.

As propostas, soluções e diagnósticos precisos de Acessibilidade Urbana e de Agricultura Familiar Diversificada e Sustentável para a cidade foram apresentadas aos prefeituráveis em outubro de 2020, antes das eleições municipais.

Na época, ao conhecer a iniciativa, o prefeito eleito Betinho Lima (PSD) entendeu que os estudos seriam importantes para o desenvolvimento de Goioerê e, neste ano, manifestou interesse em incorporar as melhorias ao plano de governo municipal.

O Crea confirmou a vontade do gestor municipal em reunião on-line realizada este mês, que contou a presença do presidente do Conselho, engenheiro civil Ricardo Rocha e sua comitiva (diretores, conselheiros e inspetores), além de diversas autoridades locais e estaduais, como o secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Goioerê, engenheiro agrônomo Gilberto Shiguetaka Matushita e de membros da Universidade Estadual de Maringá (UEM) – que vão ajudar a implantar o estudo de agricultura familiar em Goioerê.

 

“Os EBDMs do Crea-PR são de grande importância municipal, principalmente aos moradores, porque seguem normas técnicas e padrões exigidos pelas legislações brasileiras, dando mais segurança aos projetos implementados. Assim, os estudos técnicos também garantem melhorias para as profissões e profissionais da área por meio da divulgação, implantação e do acompanhamento das propostas”, afirma o secretário Gilberto Matuschita.

Os EBDMs desenvolvidos por profissionais de entidades de classe parceiros do Crea-PR sugerem o que é estratégico e essencial para cada região do Estado. As propostas e soluções elaboradas no campo das Engenharias, Agronomia e Geociências (projeto que existe há mais de 10 anos) tornaram-se referência para o planejamento da administração pública por serem análises minuciosas e diagnósticos precisos de diversos setores municipais, considerados “gargalos” em muitas cidades paranaenses.

Na cidade, a parceria do Conselho na elaboração dos EBDMs de acessibilidade e agricultura familiar foi com profissionais da Associação dos Engenheiros Agrônomos da Região de Goioerê (AEARG) e do Sindicato dos Engenheiros do Paraná (Senge-PR).  O desenvolvimento do estudo básico sobre o apoio à agricultura familiar é da engenheira agrônoma Losani Perotti, do Senge. No ano passado, em entrevista ao Crea, ela reforçou que a maioria dos municípios possui estrutura voltada para a produção de commodities (soja e milho), mas não para a agricultura familiar, por isto a necessidade de diversificar as atividades em algumas regiões, como em Goioerê. Para tanto, um dos pontos fundamentais é a participação de profissionais de Agronomia prestando assistência técnica.

Uma alternativa proposta no EBDM da cidade é a produção de HFs – hortaliças e frutíferas, seja pelo seu valor agregado, utilização da mão de obra da família ou pelas possibilidades de mercado que existem nos municípios – em especial para atendimento ao Programa Nacional Alimentação Escolar (PNAE), para a merenda escolar. Soma-se a isso, a demanda por produtos orgânicos, inclusive para fornecimento no programa de alimentação escolar, bem como em supermercados e feiras.

“Embora o Paraná ocupe o primeiro lugar em propriedades certificadas para agricultura orgânica, o Noroeste conta com o menor número destas propriedades. Por isto é urgente que o município estruture políticas públicas de apoio a estes agricultores, para viabilizar suas atividades e, paralelamente, que eles possam oferecer produtos de qualidade para a comunidade”, explica.

Na reunião virtual com representantes do Conselho, Losani reforçou que o trabalho da prefeitura de Goioerê iniciado com a UEM vai ajudar muito neste apoio a agricultura familiar da cidade. E que alguns ajustes serão necessários nos estudos, como de sensibilidade da própria população local, principalmente em relação a implementação de ações de acessibilidade.

Em relação ao estudo municipal sobre Acessibilidade Urbana, a AEARG levantou em 2020 que a área é um grande problema no município, não só na dificuldade de locomoção de pessoas com necessidades especiais pelas ruas e calçadas, mas também pela questão de bem-estar que envolve até mesmo a arborização municipal. São vários locais sem calçamento e quando tem calçadas, estão mal conservadas, com buracos e desnivelamentos.

Outro ponto negativo são as rampas que – quando existem – são com declividade acentuada e prejudicam o acesso de pessoas com dificuldades motoras. Sobre as árvores de Goioerê, o EBDM também apontou que muitas espécies danificam as calçadas e que há falta de árvores em algumas regiões, o que interferem na qualidade de vida dos moradores.

O programa Agenda Parlamentar do Crea-PR é composto por 30 Cadernos Técnicos e mais de 200 Estudos Básicos de Desenvolvimento Municipal (EBDM), elaborados para auxiliar as prefeituras paranaenses. As publicações estão disponíveis gratuitamente para download aqui.

Sobre o Crea PR: – O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR), criado no ano de 1934, é uma autarquia responsável pela regulamentação e fiscalização dos profissionais da empresa das áreas da engenharia, agronomias e geociências. Além de regulamentar e fiscalizar, o Crea-PR também promove ações de orientação e valorização profissional por meio de termos de fomentos disponibilizados via Editais de Chamamento.

 

Carina Bernardino

Assessora de Imprensa

Regional Maringá – Crea/ PR

(44) 99900-0383

[email protected]  ­

 

 

2 thoughts on “Crea apresenta duas sugestões de ações para implantar em Goioerê

  • 03/02/2022 em 07:06
    Permalink

    Good stuff, thanks for posting this article. This is a solid reasouce with some useful information. I’ll put this in my bookmarks = ).

  • 05/02/2022 em 09:11
    Permalink

    Thanks for the a new challenge you have exposed in your article. One thing I’d like to discuss is that FSBO human relationships are built as time passes. By releasing yourself to owners the first end of the week their FSBO is actually announced, prior to the masses begin calling on Thursday, you build a good relationship. By giving them equipment, educational components, free accounts, and forms, you become an ally. By taking a personal interest in them plus their scenario, you make a solid interconnection that, most of the time, pays off if the owners decide to go with a representative they know plus trust preferably you actually.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.