Chuvas dão mais “fôlego” aos mananciais que abastecem cidades

O grande volume de chuva que tem caído na região deverá ajudar a recuperar, aos poucos, a vazão dos rios e poços artesianos que abastecem as cidades. “Essa chuva é de grande valia tanto para os mananciais superficiais (rios) quando para recuperação da vazão dos poços artesianos. Foi um período muito grande de seca e é necessário um período grande também de chuva para voltar à normalidade”, explica a chefe regional da Sanepar, Araceli Pendiuk.

As cidades da região mais afetadas com o desabastecimento em razão da estiagem foram Goioerê e Iretama. “Concluimos o rebaixamento da bomba de um poço em Goioerê e outra no distrito de Jacaratiá. Este ano não foi necessário complementar o abastecimento com caminhão pipa porque a vazão dos poços deu uma boa recuperada e está atendendo a demanda”, afirmou Araceli.

Já em Iretama, o abastecimento ainda necessita da ajuda de caminhão pipa na sede do município e no distrito de Águas de Jurema. “Estão programadas obras de rebaixamento de bombas e no distrito Águas de Jurema já foi encaminhada a licitação de um novo poço para resolver o problema de forma  definitiva. Enquanto isso, vamos utilizar caminhões pipa para ajudar a garantir o abastecimento”, explicou.

No fim do ano passado a queda dos níveis dos reservatórios de água dos poços em Goioerê obrigou a Sanepar a adotar períodos de racionamento. Além da falta de chuvas, o aumento do consumo com a chegada do calor foi outra preocupação. Dos 24 municípios da microrregião atendidos pela Sanepar, apenas Campo Mourão, Ubiratã e Campina da Lagoa são abastecidos por água de rios. As demais cidades dependem de poços artesianos, perfurados pela Sanepar para alcançar a água do subsolo.

Chuvas

De sexta-feira (15) até tarde de terça-feira (19), a Fazenda Experimental da Coamo registrou 170 milímetros de chuva. A previsão da meteorologia é que a instabilidade continue, mas em menor intensidade, pelo resto da semana. Em alguns municípios, o volume de água causou alguns transtornos, como em Barbosa Ferraz, onde um rio transbordou e obstruiu a passagem de veículos sobre uma ponte.

Em Nova Cantu a balsa que faz a travessia do Rio Piquiri para o município de Guaraniaçu foi interditada nesta quarta-feira (20) por conta do excesso de chuva. Segundo a Defesa Civil, rio estava cerca de cinco metros acima do nível normal, o que compromete a segurança da travessia. A balsa volta a operar quando o nível da água voltar à normalidade. (fonte: Tribuna do Interior)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!