Custo Brasil: uma injustiça com o nosso consumidor

A Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) é uma das entidades integrantes de um projeto que busca soluções efetivas para a redução dos altos custos que pesam sobre o produto brasileiro e causam injustiças ao consumidor. Desenvolvido em parceria entre o Movimento Brasil Competitivo (MBC) e o Ministério da Economia, o projeto já calculou, em sua primeira fase, que o chamado Custo Brasil faz com que as empresas brasileiras gastem R$ 1,5 trilhão a mais do que gastariam se exercessem suas atividades nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

 

“A indústria brasileira sofre com uma infinidade de custos que se acumulam ao longo das cadeias produtivas e acabam inseridos nos preços de nossos produtos”, afirma o presidente da Fiep, Carlos Valter Martins Pedro. “Isso tira a competitividade da indústria nacional, inibe investimentos e a geração de empregos e, pior, cria uma grande injustiça com o consumidor, que paga a mais em todas as suas compras”, acrescenta.

 

Carlos Valter ressalta que, mais importante do que calcular o tamanho do Custo Brasil, é a parceria entre setor produtivo e governo para buscar soluções efetivas para o problema. “Avançar nas discussões sobre reformas estruturantes, como a Tributária, é fundamental para melhorar nosso ambiente de negócios. Mas existem muitas propostas menos complexas que podem trazer resultados imediatos”, completa.

 

Segunda etapa – O programa se debruça, atualmente, na elaboração de um portfólio de projetos que deverão contribuir para a efetiva redução do custo. No total, mais de mil propostas foram elencadas, com 822 tendo impacto direto sobre o Custo Brasil. Setenta e cinco propostas estão em fase de implantação e 14 já foram colocadas em prática pelo governo. Pelos primeiros cálculos, essas iniciativas têm potencial de gerar uma redução estimada de R$ 300 bilhões no Custo Brasil. Agora, representantes das entidades integrantes do projeto, incluindo a Fiep, estão em processo de análise e priorização das demais propostas apresentadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.