Cooperadas da Castrolanda realizam imersão na Copacol

Integrantes dos grupos femininos e de jovens da Cooperativa Castrolanda, nos Campos Gerais do Paraná, fizeram uma imersão em cooperativismo na Copacol. O intuito foi fazer uma troca de experiências e mostrar o modelo cooperativista desenvolvido na região Oeste.

No roteiro das 35 mulheres esteve a Unidade Industrial de Peixes de Nova Aurora, o CPA (Centro de Pesquisa Agrícola), as propriedades dos cooperados Geraldo Colombo, onde viram a produção de café, e Márcia Roecker, que atua com paisagismo rural e piscicultura, além da sucessão familiar. Além disso, outro local visitado foi o grupo de Mulheres do Café de Jesuítas, onde as visitantes puderam vivenciar a torra do grão e aprender mais sobre a qualidade do café produzido.

Jheiniffer Aline Nascimento, 26, que é cooperada, integrante do Grupo de Jovens da Castrolanda e atua com suinocultura, aprovou a visita. “É uma experiência maravilhosa, onde tivemos a oportunidade de conhecer melhor o trabalho feito pela Copacol. Nós não tínhamos ideia de como era o processo do peixe, por exemplo, e tivemos a experiência de ver como é feito. Nossas atividades principais são o leite e o suíno, então conhecer como são as outras atividades é muito interessante”.

A troca de experiências foi o ponto alto da visita, afirma Wilma Horst Maldonado, 63. “Nós estamos aqui representando as mulheres da cooperativa. Na Castrolanda também temos o setor de cooperativismo e fazer essas viagens e imersões são interessantes para aprendermos mais. Nós mulheres temos um papel fundamental nas propriedades rurais e essas trocas nos garantem dar continuidade nas atividades. E aqui podemos vivenciar o quanto o cooperativismo é bem implementado, com projetos excelentes e mulheres fortes”.

De acordo com a assessora de Cooperativismo da Copacol, Elizete Dal Molin, momentos como esse são enriquecedores para todos. “As mulheres puderam ver e conhecer mais das atividades que são desenvolvidas pela Copacol. Essa troca de ideias e vivências é muito interessante tanto para elas, quanto para nós, que também aprendemos com as experiências delas”.