ATA: sem apoio da prefeitura, associação de coletores está morrendo à mingua

Os coletores de materiais recicláveis de Goioerê, prestam um serviço essencial aos mais de 29 mil habitantes do município. Todo o mês, eles separam cerca de 80 toneladas de lixo domiciliar, entre papelão, garrafas plásticas, vidros, plásticos, sucatas e outros materiais.

Mas apesar de prestarem um serviço essencial e indispensável à sociedade, os coletores que integram a ATA de Goioerê, alegam estar abandonados pelo poder público municipal e ameaçados de ‘morrerem’ à mingua, inclusive com o fechamento da associação.

De acordo com a direção da ATA, por divergência política com o prefeito Pedro Coelho, a entidade ficou por 9 meses sem receber o repasse de um convênio mensal, que ajudava no pagamento das diárias dos coletores. Por conta disso, a entidade acumulou uma dívida de R$ 180 mil, que vem se arrastando e dificultando sua manutenção.

Hoje, segundo a direção da associação, a ATA tem uma despesa mensal de cerca de R$ 18 mil, contando com 20 pessoas que atuam diariamente na separação dos materiais coletados, bem como trabalhando na trituração das galhadas, na organização dos vidros e com a segurança do local onde a associação funciona.

Diante da crise que assola a ATA, com a falta de apoio do poder público e dificuldade financeira, a direção da associação alerta, que se providência não forem tomadas, a entidade poderá fechar suas portas e encerrar suas atividades no município.

A notícia deixou os coletores temerosos e desesperados. Na sexta-feira, a coordenação da ATA apresentou uma proposta de redução de 50% da diária paga aos coletores,  com o valor caindo de R$ 40,00 para R$ 20,00. “É uma proposta que valerá até que a gente consiga reorganizar a situação financeira da entidade”, diz o coordenador da entidade, Elizeu Lemes.

O coordenador da ATA cita que a situação da entidade é grave e desesperadora, em especial para os trabalhadores da associação. “Infelizmente estamos vivendo uma grave crise financeira, e estas pessoas têm outra opção de renda a não ser a que vem da reciclagem. Estamos pedindo socorro”, desabafou ele.

PARCERIA: – De acordo com a direção da ATA, em 18 anos de existência, esta é a primeira vez que a entidade enfrenta uma crise dessa natureza.

Segundo consta, na administração passada, o repasse para a ATA era de cerca de R$ 48 mil. Hoje, os valores repassados pela administração do prefeito Pedro Coelho, são de cerca de R$ 15 mil.

 

 

Siga nossa página no facebook: facebook.com/gazetagoioere

E nosso Instagram: @gazetagoioere

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a equipe da Gazeta Regional pelo WhatsApp (44) 3522-2537 ou entre em contato pelo (44) 3522-2537.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.