• quarta, 17 de outubro de 2018
  • Versão Impressa
  • Fale Conosco
  • 22º C

    Goioerê, 17 de outubro de 2018

    Hoje

    22º C Nublado

    27º C 21º C

    Esta semana

    27º C 21º C
    27º C 20º C
    27º C 17º C
    27º C 15º C
Variedades

Produção industrial do Paraná cresce 28,4% e tem maior aumento do País

A produção industrial do Paraná cresceu 28,4% em junho com relação a maio deste ano e teve o maior aumento entre os estados brasileiros. No Brasil, o crescimento da produção industrial no mesmo período foi de 13,1%. Os dados são da mais recente Pesquisa Industrial Mensal, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e foram compilados pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes).

Para o diretor-presidente do Ipardes, Julio Suzuki Júnior, o crescimento do ajuste sazonal demonstra que a economia Estado está se recuperando da greve dos caminhoneiros que ocorreu em maio. “O resultado de junho confirma a recuperação da indústria e a retomada econômica com vigor no Paraná. A crise dos caminhoneiros foi um episódio pontual e o Estado já está voltando à normalidade”, afirmou.

O Paraná ficou à frente do Mato Grosso (25,6%), de Goiás (20,8%) e do Rio Grande do Sul (17%). Os estado de Santa Catarina e São Paulo vêm na sequência, com um aumento de 16,8% e 14,8% na produção industrial, respectivamente.

Acumulado

No período de um ano o resultado do Estado também foi positivo. A produção da indústria paranaense cresceu 9,7% em relação a junho de 2017, terceiro melhor resultado do País. O Estado ficou atrás apenas do Pará (13,3%) e de Pernambuco (10%). O crescimento da produção industrial brasileira foi de 3,5% no período.

Este crescimento foi impulsionado pela indústria automotiva, que teve um aumento de 38,4% na sua produção no período. Em seguida estão a fabricação de derivados de petróleo e biocombustíveis (18,3%), de produtos minerais não-metálicos (15,3%) e de papel e celulose (15,1%). O único setor que teve um decréscimo na produção no período foi o de produtos alimentícios (-4,5%).