• domingo, 19 de agosto de 2018
  • Versão Impressa
  • Fale Conosco
  • 26º C

    Goioerê, 19 de agosto de 2018

    Hoje

    26º C Encoberto

    26º C 15º C

    Esta semana

    25º C 13º C
    21º C 12º C
    19º C 13º C
    25º C 15º C
Variedades

Paraná fecha semestre como o 4° Estado brasileiro que mais contratou

O Paraná ocupa o quarto lugar no ranking nacional de geração de empregos, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados neste mês pelo Ministério do Trabalho.

No primeiro semestre de 2018, foram criadas 32.030 vagas no Estado, o que coloca o Paraná atrás somente de São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina.

Em comparação com o mesmo período de 2017, o Paraná apresentou um aumento de 32%. “Este foi o melhor resultado dos últimos quatro anos”, disse o secretário especial do Trabalho e Relações com a Comunidade, Paulo Rossi. Segundo ele, os dados do acumulado de 2018 mostram uma tendência de crescimento do mercado de trabalho no Paraná, e também uma recuperação da economia do Estado, tendo em conta a crise vivida no país.

Entre os setores que mais contrataram de janeiro a junho de 2018 estão o setor de Serviços, que teve um saldo positivo de 22.570 postos de trabalho, seguido pela Indústria de Transformação com 9.030 (positivo).

GREVE DOS CAMINHONEIROS - O desempenho do mês de junho apresentou uma queda nas contratações no Brasil, o saldo do país foi de 661 vagas fechadas. O Paraná, seguindo a tendência brasileira, também fechou o mês com um saldo negativo (-6009). Os setores que mais contribuíram com esta queda foram o Comércio, que teve um saldo negativo de 2.264, seguido pela Indústria, com fechamento de 2.209 postos de trabalho.

“Já era esperada uma retração no saldo de empregos formais no mês de junho, pois nos últimos anos esse período vem apresentando uma desaceleração perante os meses anteriores, e muito também pelos reflexos da greve dos caminhoneiros”, explica Alexandre Chaves, economista do Observatório do Trabalho. Segundo o economista, foi notável a queda na Indústria Têxtil e no Comércio varejista, áreas que se apoiam no transporte rodoviário no Paraná.

De acordo com o secretário Paulo Rossi, a prova dos reflexos da greve no Brasil é a previsão do crescimento do PIB brasileiro antes projetado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) em 2.3% e agora é de 1.8%.

A atividade que mais contratou em junho foi o Abate de Suínos, Aves e Pequenos Animais, com um saldo positivo de 354. Os estados vizinhos de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, que possuem economias semelhantes ao Paraná, também apresentaram quedas no mês de junho, contabilizando os saldos negativos de 4.020 e 6.521, respectivamente.