• terça, 12 de dezembro de 2017
  • Versão Impressa
  • Fale Conosco
  • 22º C

    Goioerê, 12 de dezembro de 2017

    Hoje

    22º C Ensolarado

    30º C 19º C

    Esta semana

    30º C 18º C
    31º C 22º C
    31º C 21º C
    31º C 21º C
Cidades

Coamo antecipa sobras de R$ 95,4 milhões aos cooperados

A semana começou bem movimentada nas unidades da Coamo em dezenas de municípios no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. O motivo não poderia ser melhor, já que os cooperados receberam o adiantamento de parte das sobras do Exercício 2017. No total, estão sendo pagos R$ 95,4 milhões, que beneficiam os mais de 28 mil cooperados.

De acordo com a cooperativa, cada um dos cooperados, recebe conforme a sua movimentação durante o ano na fixação dos produtos soja, milho, trigo e insumos. O restante do dinheiro será pago após Assembleia Geral, realizada no primeiro trimestre de 2018.

Em Goioerê, o gerente José Adilson Colaço destacou que esse dinheiro é dos mais importantes, sendo para o cooperado uma espécie de 13º salário. Ao todo, mais de 400 cooperados da unidade da Coamo de Goioerê e Rancho Alegre D’Oeste serão beneficiados com os recursos das sobras.

Ao receber as sobras, cooperados elogiaram a transparência da Coamo.

Tradição - Para o presidente da Coamo, José Aroldo Gallassini, as sobras representam um diferencial positivo do cooperativismo. Segundo ele, apesar do ano difícil para a economia brasileira, o setor agrícola teve bons resultados e, por isso, novamente, está sendo possível destinar as sobras ao quadro social. “A Coamo possui tradição do pagamento antecipado das sobras nesta época do ano. Essa condição é realizada desde a sua fundação, há 47 anos. Além de ‘engordar’ as festas de final de ano, o dinheiro ajuda a impulsionar o comércio nas várias regiões da área de atuação da cooperativa”, comenta Gallassini.

Ele destaca que a antecipação só é possível devido a solidez, administração e participação dos associados. “Comemoramos novamente esses bons resultados, fruto da participação efetiva dos cooperados e da boa administração da diretoria. Neste ano que estamos prestes a encerrar, mais uma vez, o balanço é positivo. Apesar da crise que diversos setores do país vêm passando, a agricultura consegue se manter muito bem como âncora da economia, e ainda apresenta bons números, os quais são bem recebidos pelos associados”, assinala Gallassini.